quarta-feira, 23 de maio de 2007

[perseguição] ou não...

Problem, tabaco, tabagismo. Guimaraes Guimarães Braga Vizela Porto Blog Blogue Ocio Ócio Cultura Urbano Urbana Zine Magazine Artes Plásticas Plasticas Musica Música Tendências Tendencias Guia Spicka Spika Spica Berço Ana Concertos Concerto Blitz Fotografia Cinema Arquitectura Arte CCVF Vila Flor Cultural Theatro Circo Casa Artes

4 comentários:

electriklife disse...

sou fumador e nem sei bem o que dizer, se assim tiver que ser só terei que respeitar :)

Rui Luís Lima disse...

e agora nasceu um novo fundamentalismo, não é permitido fumar.
quando revemos o cinema dos anos sessenta em que os personagens andam sempre com um cigarro nos dedos, somos obrigados a pensar: será que estas imagens são "clandestinas"?
bom fim-de-semana
paula e rui lima

Spicka disse...

Concordo com os dois. Por acaso nos últimos tempos penso que se tem exagerado! Há 10 anos atrás, tinha eu 9 anos, não era como são os miudos de agora, que se veem alguém a fumar olham logo "de canto", refilam!

Nos States, li estes dias, os filmes onde entre um cigarro, serão classificaodos como violentos. Ou seja, o 101 Dálmatas é, nos tempos que correm, um filme com imagens violentas! Assim como a BD Popey - The Sailor Man, em que ele aparece constantemente com um cachimbo na boca.

Detesto fundamentalismos!
Respeito os outros.

O Puto disse...

Cada um sabe o que faz com a sua saúde, desde que não interfira com a saúde dos outros. Grande parte dos espaços públicos fechados não são ventilados ou a ventilação é deficiente.
Os cigarros e o respectivo fumo podem assumir uma dimensão artística em filmes, livros e fotografias, mas no quotidiano isso quase nunca é atingido. Que eu saiba, não é proibido, nem se pretende que seja, fumar em casa ou na rua, o que não restringe assim tanto os locais, bem como não se pode considerar "clandestino" quem infringe essas regras. Veja-se o caso das frequentes infracções do código da estrada, toleradas e cometidas pela maioria dos portugueses.
O que se passa nos EUA não deve servir de exemplo para o resto do mundo, pois há um limite para o razoável. As propostas de lei apresentadas não ultrapassam esse limite, na minha opinião.
Cumprimentos de um não fumador com irmãos e muitos amigos fumadores